Cansaço: o que pode ser? Veja quando buscar ajuda médica

TEMPO DE LEITURA: 8 MINUTOS

É muito comum ouvir pessoas reclamando sobre o cansaço. Na realidade, parece que estamos todos constantemente nos sentindo sobrecarregados e por vezes sem disposição.

Porém, há uma diferença entre se sentir cansado após um dia ou semana exaustivos e se sentir assim constantemente — o que pode ser um sinal de outros problemas. Dessa forma, é importante atentar-se às mensagens do corpo para saber quando é hora de procurar ajuda.

Separamos algumas informações que podem ajudar a entender sobre os diferentes tipos de cansaço, quando se preocupar com esse problema e quais as formas de tratamento. Confira:

Cansaço: quais os tipos?

Quando falamos em cansaço, normalmente pensamos logo em uma sensação de exaustão física — o que é bastante comum. Porém, há outras formas de se sentir cansado.

Muitas pessoas precisam fazer tratamento a fim de melhorar a fadiga mental e psicológica, por exemplo. Além disso, também é comum que algumas sintam cansaço respiratório devido ao sedentarismo e falta de aptidão física. 

Entenda melhor como essa sensação pode se manifestar em diferentes âmbitos:

Mental (psicológico)

A exaustão mental (ou estafa) é mais que uma simples sensação de fadiga ou estresse normal da rotina. Ela é caracterizada por um cansaço crônico e sentimentos intensos de frustração e incapacidade — ainda, normalmente está relacionada a outros problemas emocionais.

Dentre os sintomas desse problema, estão alguns como:

  • Insônia;
  • Sentimentos intensos de frustração e incapacidade;
  • Nervosismo;
  • Desânimo;
  • Angústia e preocupações sem motivo;
  • Ansiedade;
  • Perda de apetite;
  • Diminuição da libido.

Como é possível notar a partir desses exemplos, apesar do cansaço nesse caso atingir principalmente os fatores psicológicos (causando desânimo, falta de motivação, aflição), afeta também o lado físico através de mudanças no sono ou apetite — por exemplo.

Dessa forma, tais sinais não devem ser ignorados. É preciso buscar acompanhamento profissional a fim de realizar o tratamento oportuno para o caso de forma individual.

Respiratório

Como o nome sugere, o cansaço respiratório caracteriza-se pela dificuldade em respirar normalmente. É comum que as pessoas apresentem fadiga, respiração ofegante e até mesmo dores no peito.

Esse desconforto (chamado de dispneia) pode ser ocasionado por questões físicas, emocionais (como crises de ansiedade), situações ambientais (mudança climática), sociais (pressão no trabalho, constrangimentos, etc), sedentarismo ou doenças respiratórias (asma, bronquite, etc).

Considerando que diferentes fatores podem causar esse tipo de cansaço, é importante atentar-se ao aparecimento e frequência dos sintomas e se necessário buscar ajuda profissional.

Físico

Certamente todas as pessoas já sentiram cansaço físico em algum momento, em especial devido a questões do dia a dia — como uma rotina muito intensa, prática de exercícios físicos ou noites mal dormidas.

Porém, além dessas questões habituais, alguns problemas de saúde podem causar a sensação de exaustão física. Como:

Sendo assim, a fadiga pode simplesmente indicar que a pessoa está sobrecarregada e precisa de mais tempo de descanso. Em contrapartida, também pode ser um indício de doenças, inclusive relacionadas à saúde mental.

Isso reforça a necessidade de atentar-se aos sintomas que seu corpo apresenta e, quando persistir, buscar auxílio médico para diagnosticar a real causa desse incômodo.

O que é cansaço em bebê?

Os adultos tendem a sentir exaustão após realizar determinadas atividades, ter um longo dia de trabalho ou uma noite mal dormida, por exemplo. Já os bebês e até as crianças podem ficar cansados ao fazer até mesmo coisas habituais da rotina.

Especialmente os bebês costumam se cansar simplesmente por ficarem acordados durante um determinado período — tempo que costuma variar conforme a idade, visto que um recém-nascido tende a ficar menos acordado do que um bebê de 5 meses, por exemplo.

De início, pode ser difícil para os pais entender quando a criança está cansada e precisa dormir, uma vez que a única forma de comunicação dela é o choro e alguns sinais.

Claro que todo bebê é único e apresenta sinais diferentes de cansaço, mas veja algumas coisas que ele pode fazer e que são comuns:

  • Reduzir os movimentos e atividade;
  • Ficar cada vez mais quieto;
  • Perder o interesse em pessoas, brinquedos e brincadeiras;
  • Relaxar a mandíbula, queixo e boca (ficando com “olhar caído”);
  • Chorar e apresentar maior irritabilidade ou agitação;
  • Bocejar.

Esses são sinais de um cansaço normal do bebê. Porém, há casos em que a criança pode apresentar outras formas de fadiga — como a respiratória, por exemplo. O que normalmente carece de ajuda profissional.

Como saber se o bebê está com cansaço respiratório?

Todas as pessoas que sofrem com dificuldade de respirar tendem a apresentar sinais de que o organismo não está recebendo oxigênio o suficiente ou que há algum desconforto. Não é diferente com os bebês, com exceção do fato que eles não têm como comunicar isso diretamente, o que torna indispensável a percepção dos pais.

Para saber se o bebê está com cansaço respiratório, é possível observar sintomas como:

  • Nariz obstruído (entupido) — a criança costuma respirar pela boca com frequência maior que a habitual. Não raras vezes isso leva a dificuldades para mamar ou se alimentar devido desconforto na respiração;
  • Aumento no número de respirações por minuto — o bebê pode ter uma respiração curta e muito rápida;
  • Batimento de asa de nariz — ocorre quando a borda do nariz faz movimento para fora e para dentro (imitando asa), ou seja, o bebê está tentando puxar o ar com muito esforço;
  • Retração da musculatura — pode ocorrer logo abaixo do pescoço (de forma que a região afunda durante a inspiração) ou na região intercostal (músculos entre as costelas com sinal de esforço);
  • Falta de sincronia respiratória — olhando para o abdômen da criança será possível notar um movimento de “gangorra” na respiração, de forma que o tórax e a barriga mostrem falta de sincronia;
  • Chiado — um som ou “assobio” que parece sair do peito da criança quando ela respira, o que pode indicar que as passagens de ar estão estreitas.

Todos esses são sinais de que o bebê pode estar com dificuldades na oxigenação. O que pode ter como causa questões como alteração climática, agentes externos (como a poeira) ou ainda em decorrer de alguma doença.

Considerando que quadros respiratórios tendem a se agravar mais rapidamente em crianças, ao notar alguma das alterações listadas, procure um(a) médico(a).

Cansaço exagerado: o que pode ser?

Não há mal nenhum em se sentir cansado de vez em quando ou após realizar algumas atividades. Porém, não é normal ter uma constante ou exagerada sensação de cansaço, em especial se você não está fazendo nada para se sentir dessa forma.

  • Desregulação hormonal — normalmente diagnosticada por exames de sangue, muitas vezes envolve os hormônios da tireoide (em especial no caso das mulheres);
  • Anemia — podendo causar também sonolência e desânimo;
  • Alergias — quando estamos com uma reação alérgica, elas causam inflamação em nosso corpo, o que tende a deixar o organismo “mais lento” e aumentar a sensação de cansaço;
  • Depressão — sono em excesso, constante sensação de cansaço e dificuldade em realizar tarefas habituais, são alguns dos principais sintomas desse transtorno;
  • Doenças cardíacas — quando há pequenas (ou grandes) alterações, o coração pode ter dificuldade para enviar o sangue para o corpo todo. Esse fator pode levar ao cansaço e tonturas recorrentes;
  • Diabetes — a glicose não chega corretamente às células, de forma que as pessoas podem se sentir com menos energia e maior sensação de fadiga.

Sendo assim, não ignore os sinais que seu corpo pode estar apresentando. Caso tenha essa exaustão de forma intensa e recorrente, procure um(a) médico(a) para se certificar sobre o que está causando esse problema!

Cansaço: quando se preocupar? 

Como vimos, o cansaço pode ser desencadeado por diferentes fatores (falta de descanso, excesso de atividades, doenças, etc). Além disso, também pode acometer o indivíduo de formas distintas, afetando tanto o lado físico quanto mental.

De forma geral, é sempre necessário se preocupar quando algo fora do habitual está ocorrendo em nosso corpo. Em especial se isso afeta nosso desempenho e vontade de realizar coisas que fazem parte do dia a dia.

Por isso, é preciso ficar atento(a) e se necessário buscar ajuda médica. Separamos alguns dos sintomas associados ao cansaço e que podem ser sinal de alguns distúrbios:

Cansaço e dor nas articulações

Quando o cansaço aparece acompanhado de dores nas articulações, isso pode estar associado a fatores como o sedentarismo, obesidade, doenças reumáticas e doenças crônicas (como a fibromialgia, por exemplo).

Claro que, algumas vezes, o problema pode estar simplesmente atrelado ao excesso de atividades físicas ou mal jeito. Porém, se esse não for o caso e os incômodos persistirem, é preciso buscar acompanhamento profissional.

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, esse cansaço excessivo não é sempre um sinal de que precisamos simplesmente de um descanso. Por vezes, pode ser um indicativo de complicações ou doenças como:

Não só visando eliminar esses sintomas, mas a fim de tratar as condições que estão causando-os.

Cansaço com desânimo e sono

Como vimos, algumas vezes o cansaço pode ser do tipo psicológico ou mental, associado com problemas físicos como a sonolência.

O desânimo e o cansaço excessivo estão entre os principais sintomas da depressão, por exemplo. Uma doença mental que afeta milhões de pessoas no mundo todo e que carece de um acompanhamento clínico.

Porém, o desânimo também pode ser proveniente de algumas alterações hormonais, como a baixa da serotonina — conhecida como o “hormônio da felicidade”, mas que também regula funções como o sono, apetite, humor, funções intelectuais, etc.

Cansaço e falta de ar

O cansaço também pode ser do tipo respiratório, o que consequentemente causa fadiga física devido à baixa oxigenação. Além da dificuldade de respirar (dispneia), podem ocorrer incômodos como dores no peito (o que pode indicar insuficiência cardíaca).

A dispneia pode estar associada a problemas emocionais (como a ansiedade), sedentarismo ou principalmente doenças respiratórias (asma, bronquite, algumas alergias, etc).

Porém, alguns hábitos também podem influenciar no aparecimento desses sintomas em conjunto, como o tabagismo, por exemplo.

Cansaço e fraqueza

O cansaço e a fraqueza podem, inclusive, ser confundidos. Porém, são coisas diferentes, visto que se sentir fraco normalmente está atrelado à dor ou dificuldade de realizar determinadas atividades. Já a fadiga, faz com que a pessoa se sinta desmotivada e incapaz de fazê-las.

Entretanto, quando esses sintomas aparecem juntos, pode ser um sinal de algumas doenças como a anemia — condição em que não há uma quantidade suficiente de glóbulos vermelhos saudáveis ou um pleno funcionamento deles.

Também é normal que as pessoas apresentem tontura, palidez, falta de ar e outros sintomas.

Cansaço e vontade ficar deitado(a)

É normal que ao se sentir muito exausta, a pessoa só tenha vontade de ficar deitada sem fazer qualquer outra coisa. Porém, é preciso identificar o que está causando esse cansaço.

Ou seja, se é algo que está relacionado a atividades cotidianas (como sobrecarga no trabalho) ou se não há uma causa aparente. Como vimos, algumas doenças podem desencadear esse tipo de desânimo incomum e sem motivo.

É o caso de alguns distúrbios que afetam a saúde mental, como a depressão. Podendo levar a outros incômodos como a falta de apetite, ansiedade, agitação, angústia, etc.

Cansaço extremo: qual médico procurar?

Considerando o fato de que o cansaço pode ser um sintoma de diferentes distúrbios, ao buscar ajuda médica você pode optar inicialmente por um(a) especialista do tipo clínico geral. 

Esse(a) profissional poderá fazer um diagnóstico inicial e, quando necessário, encaminhar o paciente a outras especialidades — como um pneumologia, reumatologia, endocrinologia, etc.

Porém, se o que você sente está principalmente atrelado a fatores que afetam sua saúde mental (desânimo, exaustão psicológica, etc), seria oportuno buscar um(a) psicólogo(a).

Como tratar o cansaço exagerado?

O tratamento para o cansaço vai variar conforme cada problema, visto que no geral ele aparece como um sintoma de algumas doenças ou distúrbios. Sendo assim, ao realizar o tratamento para tal questão, consequentemente haverá melhora no cansaço.

Porém, algumas coisas podem ajudar a evitar a exaustão e/ou melhorar a sensação de bem-estar, ânimo e disposição:

  • Realizar atividades de lazer;
  • Manter uma alimentação saudável (repondo nutrientes importantes);
  • Praticar exercícios físicos;
  • Ter qualidade no sono;
  • Diminuir o tempo de uso de eletrônicos (celular, televisão, computador).

Esses fatores vão influenciar diretamente no funcionamento de seu organismo e mente. Nesse sentido, tais práticas podem ajudar a evitar ou diminuir a sensação de exaustão (física ou psicológica).

Porém, lembre-se que algumas vezes são necessárias terapias medicamentosas ou acompanhamento psicológico para tratar a doença que está causando o cansaço. Então, não hesite em procurar o auxílio profissional a partir da persistência ou agravamento dos sintomas!

Ninguém gosta de se sentir cansado(a). Infelizmente, algumas pessoas “se acostumam” com essa sensação e passam a pensar que isso é uma coisa normal. Porém, é preciso ter em mente que a exaustão constante e intensa não é algo que deve ser normalizado.

Atente-se aos sinais do seu corpo para possíveis problemas e priorize sua qualidade de vida, tenha em mente que o normal é se sentir bem e disposto(a) — não o contrário.

FazfarmaNet

A FazfarmaNet segue as determinações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Somente o médico está apto a diagnosticar qualquer problema de saúde e prescrever o tratamento adequado Farmacêutico Responsável: Dr. Jonas de Oliveira | CRF/SP - 9384 | CEVS: 354880701-477-000057-1-1 | Autorização MS: 1.37.624-1